Skip to main content

Seguro Fiança: é ou não é devolvido no fim da locação?

Por 1 de julho de 2021Residencial e Lazer
seguro fiança é devolvido

Em um contrato de locação de imóvel, o seguro fiança faz parte de inúmeros processos. Trata-se de uma garantia contratada pelo locatário (ou inquilino) que agiliza a aprovação da proposta de aluguel. 

Ele é um produto que oferece mais segurança ao proprietário da casa ou apartamento alugado. O seguro fiança substitui outros tipos de garantias também praticadas no mercado como a figura do fiador ou o valor caução, por exemplo.

Mas o que ocorre com o valor do seguro fiança quando o contrato de locação chega ao fim? O seguro fiança é devolvido para quem pagou? Como isso é feito?

Para entender melhor, é importante saber como o seguro fiança funciona.

Simulação online de Seguro Fiança

Por dentro do seguro fiança

O seguro fiança tem o funcionamento parecido com outros tipos de seguro como, por exemplo, o seguro residencial. 

Mas há sim um importante diferencial. Apesar de o inquilino contratar o seguro fiança, o segurado é o proprietário do imóvel e não quem o contrata. Isso mesmo, quem recebe as indenizações relacionadas à apólice é o dono da casa alugada.

Trata-se de um produto que tem a vigência atrelada ao contrato de locação. Ou seja, pode durar por todo o período de aluguel do imóvel, mas normalmente precisa ser renovado após determinado tempo.

A cobertura comum desse tipo de seguro está sempre relacionada ao valor do aluguel e também às taxas referentes a ele, como a de condomínio e o IPTU. Mas, como outros seguros do mercado, a apólice pode contemplar coberturas adicionais para outras situações como:

  • Contas de água e de luz;
  • Outros tipos de impostos (além do já mencionado IPTU),;
  • Taxas jurídicas em ações de despejo, entre outras.

Seguro fiança é devolvido?

Mas a principal dúvida aqui é se o seguro fiança é devolvido para o inquilino que o contratou.

Para responder a essa questão, vamos apresentar duas situações comuns. Uma delas é quando há quebra de contrato. Ou seja, quando finaliza o aluguel antes do prazo do contrato. E outra situação é quando o contrato de locação chega mesmo ao fim, na data estipulada no documento desde a sua assinatura.

Quebra contratual da locação

Nesse caso, o seguro fiança é devolvido para o locatário. A devolução tem como base os meses faltantes, veja exemplo a seguir.

Exemplo: o inquilino fez um seguro fiança para 30 meses de locação, mas ficou no apartamento alugado por apenas 10 meses. Nesse caso, é feito um endosso de cancelamento. O inquilino/locatário, vai receber o reembolso dos 20 meses faltantes caso já tenha feito o pagamento com antecedência.

Fim do contrato de locação

Nesse caso, o seguro fiança não é devolvido para o locatário.

Isso ocorre pois o inquilino ficou na casa locada durante todo o período estabelecido no contrato de locação. Apesar de ele ter pago todos os aluguéis em dia, o reembolso não é feito. Isso porque a seguradora usou o valor do seguro fiança como garantia durante toda a vigência do contrato.

Quanto custa um Seguro Fiança para aluguel?

Agora que você já sabe quando seguro fiança é devolvido, vamos falar de valores.

Em geral, o valor do seguro fiança para aluguel gira em torno do valor de um aluguel a um aluguel e meio. Por exemplo, em um aluguel de R$ 2.000,00 o seguro fiança deve custar entre R$ 2.000,00 a R$ 3.000,00 por ano. Mas, você pode contratar coberturas adicionais, elevando o valor.

Por que contratar o Seguro Fiança?

Para facilitar os processos de locação de imóveis, o mercado criou mecanismos que dão garantias locatícias como é o caso do seguro fiança.

As vantagens ocorrem para ambos os lados. O seguro fiança tranquiliza o proprietário do imóvel em relação a possíveis prejuízos. Ele também facilita a vida dos inquilinos que precisam alugar um imóvel e não têm – ou não querem ter – a figura de um fiador. Sem contar que o seguro também agiliza a aprovação da proposta.

Vale dizer que hoje em dia muitas imobiliárias trabalham apenas com o seguro fiança para a efetivação das locações de imóveis. Isso porque o seguro fiança é a maneira mais segura e menos burocrática para garantir que o aluguel seja pago. E também para que o imóvel siga sempre em ótimas condições.

Há casos, inclusive, que a imobiliária paga uma parte do seguro fiança. Isso facilita ainda mais o processo de locação de um imóvel.

Além de o seguro fiança cobrir as parcelas que não são pagas pelo inquilino, o produto também oferece ao proprietário mais segurança. Ele atua caso o novo morador:

  • Não efetue o pagamento de IPTU;
  • Cause danos ao imóvel;
  • Ou deixe de pagar taxas condominiais e demais encargos.

Certas seguradoras também oferecem serviços gratuitos de assistência 24h como encanador, eletricista, consertos de eletrodomésticos etc.

Facilidade de contratação

O seguro fiança tem contratação muito simples. As empresas costumam solicitar ao inquilino os seguintes documentos:

  • Pessoa física: CPF e RG ou CNH, comprovante de residência e de renda.
  • Pessoa jurídica: CNPJ, CPF e RG ou CNH dos sócios, extratos bancários dos últimos três meses e o último imposto de renda.

Seguro fiança X CPF com restrição

As seguradoras estabelecem certas condições para que as pessoas contratem o seguro fiança. Uma delas é que o futuro inquilino esteja com o nome em dia frente ao Serviço de Proteção ao Crédito (SPC) e Serasa.

Sendo assim, quem deseja alugar um imóvel não pode ter restrições nos órgãos de proteção ao crédito. Também não pode ter sido réu em ações de despejo ou cobranças e execuções, principalmente as relacionadas à locação de imóveis.

Simulação online de Seguro Fiança

Última atualização em 01/07/2021

 

 

 

Deixe uma resposta