Skip to main content

Plano de Saúde cobre RPG?

Por 1 de março de 2021Vida e Saúde
plano de saúde cobre rpg

Usado na fisioterapia para o ajuste da postura, a técnica de RPG é bastante eficaz no tratamento de diversos problemas. Principalmente aqueles na coluna. O método, inclusive, serve não somente para corrigir lesões, mas também na prevenção delas. Mas você sabe se o seu plano de saúde cobre RPG? 

Caso o plano não tenha essa cobertura, o que você pode fazer? Para descobrir e entender melhor o tema, acompanhe o nosso post! 

Cotação online de Planos de Saúde

O que é RPG?

A RPG é a sigla de Reeducação Corporal Global. Para quem não está familiarizado com o assunto, a RPG é uma técnica fisioterapêutica que visa corrigir a postura. Ela reorganiza o equilíbrio dos músculos do corpo, de acordo com as necessidades de cada paciente. 

A ideia é que o método possa identificar e alongar os músculos que estão desajustados e trazendo problemas na postura. Assim, possibilita o realinhamento dos músculos, firmando a postura e fortalecendo os segmentos do corpo. 

Portanto, o tratamento da RPG serve para diferentes situações, tais como: 

  • Acidentes; 
  • Artrose;
  • Dores na coluna;
  • Escoliose; 
  • Fibromialgia;
  • Hérnias de disco; 
  • Lesão por esforço repetitivo (LER);
  • Problemas nas articulações.

Estes são alguns dos exemplos que a RPG pode ajudar na correção da postura. 

Por isso, vale lembrar aquela dica preciosa: tenha cuidado com a postura. Sobretudo ao lidar com celulares, computadores e dispositivos móveis. Não deixe virar uma rotina o ato de se curvar e forçar outros membros do corpo desnecessariamente quando estiver sentado ou deitado. 

Certo, agora vamos descobrir se o plano de saúde cobre RPG. 

O Plano de Saúde cobre RPG?

Sim, o plano de saúde cobre RPG, mas não em todos os casos. Como assim? Somente em dois momentos o plano de saúde cobre RPG:

  • Se o plano quiser disponibilizar a cobertura ao beneficiário;  
  • Caso seja obrigado pela justiça. 

Isso se deve porque o plano de saúde não é obrigado a oferecer a cobertura por RPG. De acordo com a Agência Nacional de Saúde Suplementar (ANS), a RPG não está no Rol de Procedimentos e Eventos em Saúde do órgão. 

Como não é obrigatório, nem sempre os planos de saúde ofertam a cobertura ao usuário. Porém, é preciso esclarecer que o rol da ANS não é uma lista definitiva. 

Por isso, há planos de saúde que disponibilizam a cobertura. Assim como existem planos que recusam o procedimento ao usuário. 

Geralmente, recomenda-se o beneficiário negociar com o plano de saúde caso a cobertura não esteja entre as ofertadas pela empresa, visto que seria um técnica extra. 

Como funciona a cobertura de RPG?

Levando em conta que alguns planos de saúde cobrem RPG, o usuários pode conseguir um número específico de sessões anuais. Isso depende do contrato do mesmo. Por exemplo, o plano pode cobrir 40 sessões por ano. 

Assim, para conseguir usufruir da cobertura, é necessário a apresentação do pedido médico solicitando o tratamento por RPG. A solicitação costuma ter validade de 30 dias e deve conter o número de sessões a serem realizadas. 

Uma autorização (chamada de senha) é disponibilizada ao beneficiário para a realização de cada sessão. 

Caso haja a necessidade de estender o número de sessões além das requisitadas pelo médico, mais documentos são pedidos pelo plano de saúde, como: 

  • Laudo do exame de imagem para atestar o diagnóstico; 
  • Relatório médico, com a justificativa para a prorrogação das sessões e previsão de duração do tratamento. 

A cobrança, por parte da operadora, se baseia no número de sessões combinadas. 

O que fazer se o meu plano não cobrir RPG? 

Neste caso, como o plano de saúde não cobre RPG, a opção é acionar a justiça. 

Como a RPG não consta no rol da ANS, é possível os planos de saúde se negarem a cobrir o tratamento. O que leva o usuário a somente um caminho: recorrer à forma judicial. 

Mesmo que haja uma certa resistência dos planos em aceitar a cobertura, o beneficiário tem um importante trunfo: o pedido médico comprovando a necessidade da RPG. 

Com a solicitação em mãos e, se confirmada a recusa da operadora, o usuário deve procurar um advogado para entrar na Justiça na busca pelo seu direito.  

Se possível, tenha por escrito a negativa do plano de saúde. Essa é uma forma de certificar que não houve a autorização. Além disso, reúna todos os documentos importantes a respeito da RPG, como laudos, exames e prescrições médicas. 

Nem tudo está perdido. Como exemplo, o Tribunal de Justiça de São Paulo tem entendido que as operadoras devem, sim, pagar o tratamento de RPG.  

+ Como funciona o reembolso do plano de saúde?

Lembrando: o rol da ANS determina o que os planos de saúde são obrigados a cobrir. Contudo, vale insistir para que o plano de saúde cobre RPG, uma vez que se apresentado o pedido médico evidencia a necessidade do procedimento. 

Quais são os benefícios do RPG?

Como agora sabe que o plano de saúde cobre RPG, será que realmente vale a pena fazer RPG? Para entender o que a técnica proporciona ao paciente, vamos conhecer alguns de seus benefícios: 

  • Realinha a coluna e combate as dores nas costas;
  • Corrige o posicionamento dos joelhos; 
  • Elimina a dor ciática;
  • Melhora a respiração; 
  • Ajuda no posicionamento dos ombros e cabeça;
  • Revigora o sistema imunológico;  
  • Contribui para desacelerar o processo de envelhecimento; 
  • Método indicado para todas as faixas etárias. 

Como visto, o plano de saúde cobre RPG, mesmo que não faça parte do rol da ANS. E você já encontrou o plano de saúde ideal para você e sua família? Ainda não? Faça uma simulação com a Bidu Corretora e escolha o plano mais adequado para você! 

 

Última atualização em 01/03/2021

Deixe uma resposta